Tempo estimado de leitura:

Os desafios do síndico para 2024

Você sabe quais foram os desafios do síndico para 2024?

O ano chega cheio de esperanças para todos, e como já dizia o pensador: “quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão”. 

O que a bela frase não nos mostra é que os velhos problemas ultrapassam o tempo se não forem resolvidos, o ano novo será apenas o dia seguinte com os mesmos velhos problemas. 

Os nossos condomínios têm mudado o perfil ao longo do tempo, de síndico morador a síndico profissional, de condomínios sem áreas de lazer para condomínios clube, de condôminos indiferentes ao que ocorria para gestões participativas, de prédios moradia para condomínios clube etc. 

Essas questões fizeram com que o síndico passasse a ter desafios cada vez maiores em sua gestão e que nem sempre estão preparados.

síndico olha para planilhas de 2024
Confira os principais desafios dos síndicos em 2024.

O primeiro ponto é que o mercado tem se profissionalizado, ao mesmo tempo que não consegue se desvencilhar de síndicos medíocres.

Estes síndicos insistem em permanecer no mercado e, como uma maçã podre, comprometem o todo.

Isso faz com que síndicos sérios tenham que se esforçar para se destacarem.

Ser síndico, além de ser uma vocação, exige tempo para a formação, não obstante não exista uma regulamentação ou um exame de proficiência oficial.

É necessário um tempo de maturação para que o profissional esteja pronto para operar no mercado. 

Abrir uma empresa, contratar uma assessoria de marketing e de imprensa, apenas aumentam a exposição desses “pseudo-profissionais”.

Essas ações não os tornam preparados para operarem em um mercado que requer profissionalização.

Além disso, a falta de uma associação de classe forte que defenda interesses dos síndicos e da área condominial, também dificultam essa formação.

Estamos falando de um mercado sem entidades representativas, e as que aparecem têm o fim de monitorização e não de prestarem um serviço ao mercado.

A violência nos condomínios residenciais

Outro ponto importante que traz preocupação é a escalada de violência que o país enfrenta.

Infelizmente, faltam políticas públicas claras e assertivas no combate ao crime organizado.

Isso traz uma escalada de criminalidade em todos os níveis em nosso país, incluindo furtos, roubos e crimes mais elaborados. 

Infelizmente, a delinquência também foca nos condomínios, o que acarreta também em um problema de convivência.

Devido à violência, as pessoas se trancam e se escondem dentro das grades dos condomínios.

Nem um passeio na rua é seguro com a quantidade de meliantes de bicicletas que praticam furtos de celulares ou de motoqueiros que cometem roubos à mão armada.

Isso tudo muda o padrão de vida nas cidades e influencia diretamente no condomínio, que passa a ter que administrar a vida mais intensa entre as grades.

A realidade dos condomínios no Brasil

O perfil das pessoas que habitam os condomínios em nosso país tem sido o condomínio autossuficiente.

Nele, eu posso fazer a festa do meu filho, ir na academia, receber as minhas compras online, utilizar o mercado, tudo isso sem sair de dentro do local em que moro.

Essa possibilidade substitui o passeio na rua, a ida ao parque, às lojas de rua, as crianças andarem de bike na rua, ir na banca, academias e outros.

E o que tudo isso ensina é que o síndico precisa ser secretário de segurança do seu condomínio, secretário de eventos, relações públicas, cultura e infraestrutura.

Além disso, o síndico precisa lidar com a demanda cada vez maior de moradores que querem os serviços no local e que não querem mais sair de casa.

Os síndicos precisam gerir os problemas das crianças que não vão mais às ruas e que os pais ou os próprios prédios trazem monitores, brinquedos e afins para dentro dos condomínios. 

Junto com isso, o síndico precisa gerir o condomínio financeiramente, fazer reuniões de conselho, se preocupar com a LGPD, compliance, ações judiciais, formação e aprimoramento pessoal, plano diretor, AVCB, NRs, entre outros.

O que o síndico precisa saber?

Para te ajudar, a uCondo preparou uma lista com as principais obrigações que os síndicos possuem e os respectivos conteúdos sobre cada uma delas.

Confira a lista completa com conteúdos e materiais gratuitos para síndicos:

Estes são apenas alguns dos desafios dos gestores condominiais para 2024. Por isso, desejo uma boa sorte e um excelente ano.

Rodrigo Karpat, advogado especializado em direito imobiliário e questões condominiais.

Postado em  

July 19, 2024

Conheça a uCondo, o sistema de gestão de condomínios

Administre um ou mais Condomínios de forma simples e rápida. A uCondo conecta bancos, síndicos, porteiros, condôminos e administradoras, em uma única plataforma 100% digital.